Impulso para o Trabalho Remoto: Antes e Depois da COVID-19

A pandemia da COVID-19 apresentou duas situações significativas: a transição rápida e em larga escala para o trabalho remoto e a oportunidade de imaginar o trabalho de uma forma diferente.

Devido ao lockdown global e às restrições de circulação, funcionários de grandes e pequenas organizações estão agora trabalhando remotamente. Diante disso, parece que o modelo de trabalho em casa pode estar aqui para ficar para uma boa parcela dos trabalhadores.

De olho no futuro, realizamos uma pesquisa — Pulse of Remote Work: Before & After COVID-19 — com 410 entrevistados, todos profissionais de nível médio e superior que trabalham em corporações de médio e grande porte em toda a América.

Dos nossos entrevistados, 66% estavam trabalhando remotamente pela primeira vez, devido ao recente bloqueio provocado pela pandemia da COVID-19. Enquanto 14% eram trabalhadores remotos parcialmente antes do lockdown e apenas 20% eram trabalhadores remotos em tempo integral mesmo antes da pandemia.

Utilizamos esses dados para identificar os problemas que os novos trabalhadores remotos enfrentam ao se estabelecer nesse “novo normal” em comparação aos mais experientes. Entramos na mentalidade dos funcionários que fizeram essa mudança para entender como as pessoas se sentem a respeito de trabalhar remotamente, o que funciona e o que precisa mudar.

Nossa pesquisa parte do relatório elaborado pela Buffer, o 2020 State of Remote Work Report. A pesquisa deles não incluía a população que trabalhava em escritórios tradicionais antes da pandemia da COVID-19 e só agora fez a transição para o trabalho remoto. Por outro lado, as preocupações enfrentadas por esses novos trabalhadores remotos foram agora abordadas em nossa pesquisa.

Principais aprendizados

Hoje há uma grande diferença entre os novos trabalhadores remotos e os mais experientes. Parece que novos trabalhadores remotos podem ter algumas coisas a aprender com os mais experientes, principalmente aqueles que trabalham remotamente em tempo integral.

A seguir estão alguns dos achados da pesquisa que imediatamente se destacaram.

A primeira coisa que chamou a nossa atenção foi o fato de que 41% dos novos trabalhadores remotos gostariam de voltar a trabalhar no escritório após o confinamento. E apenas 20% dos novos trabalhadores remotos gostariam de trabalhar remotamente em tempo integral.
Veja o Gráfico 1 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e Depois do COVID-19 - Trabalhadores que desejam continuar com o trabalho remoto após uma pandemia de coronavírus

Então, nós cavamos mais fundo para descobrir mais sobre este segmento de novos trabalhadores remotos. Ao fazê-lo, descobrimos que apenas uma minoria dessa população (15%) está satisfeita com o seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Por outro lado, quase 50% dos trabalhadores remotos em tempo integral estão satisfeitos com o seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal.
Veja o Gráfico 2 a seguir.

Pesquisa sobre trabalho remoto 2020: Antes e Depois COVID-19 - Trabalhadores remotos novos e experientes que estão satisfeitos com o equilíbrio entre vida profissional e pessoal

Um olhar para os maiores desafios enfrentados pelos novos trabalhadores remotos mostrou instantaneamente que este novo segmento luta contra as distrações. Mais de 60% dos entrevistados afirmaram que as distrações são o maior desafio. Manter um equilíbrio entre trabalho e a vida pessoal vem em segundo lugar.
Veja o Gráfico 3 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e depois da COVID-19 - Maiores desafios que os trabalhadores remotos enfrentam enquanto trabalham em casa

Também procuramos entender seus níveis de satisfação em outras áreas. Então perguntamos a eles sobre com o que estavam mais satisfeitos ou insatisfeitos. É interessante notar que eles estavam mais satisfeitos com o tempo com a família, a flexibilidade e as horas de trabalho, enquanto estavam mais insatisfeitos com sua saúde mental e o equilíbrio entre vida profissional e pessoal.
Veja os Gráfico 4 e 5 a seguir.

Remote Work Survey 2020: Before & After COVID-19 - What remote workers are most satisfied with
Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e Depois da COVID-19 - Com o que os trabalhadores remotos estão mais insatisfeitos

Uma rápida olhada nos dois gráficos a seguir permite notar a diferença marcante entre novos trabalhadores remotos e os experientes. Veja os Gráficos 6 e 7 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e Depois da COVID-19 - Trabalhadores remotos que sentem uma sensação de bem-estar mental


Apenas 15% dos novos trabalhadores remotos sentem uma sensação maior de bem-estar trabalhando em casa. Em contraste, trabalhadores remotos experientes parecem ter encontrado o código do bem-estar doméstico. Um número significativo (57%) deles relatou uma sensação maior de bem-estar enquanto trabalha em casa.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e Depois do COVID-19 - Trabalhadores remotos frustrados e esgotados

A única questão crucial que resta é se o estresse mental vem do isolamento forçado devido à quarentena ou se é o trabalho remoto em si o problema. Outras perguntas da pesquisa nos ajudam a entender isso.

Outros resultados da pesquisa

A importância da Comunicação e da Colaboração

Relatório de pesquisa de trabalho remoto 2020: Antes e Depois do COVID-19. Colaboração e Comunicação

Os dois aspectos – comunicação e colaboração – tornam-se essenciais para a produtividade e eficiência em tempos como o atual. Isso requer dos colaboradores que tenham uma ideia exata a respeito das tarefas diárias, da ordem de prioridade e das ferramentas de comunicação adequadas e dos processos colaborativos remotos necessários para participar de reuniões de equipe e executar com sucesso o trabalho.

A pesquisa constatou que a grande maioria (54%) dos entrevistados não tem uma infraestrutura colaborativa estruturada. Eles afirmaram que usam e-mails, mensagens, chamadas ou plataformas como o Google Docs para se comunicar e se manter alinhados com a equipe.

Surpreendentemente, apenas 33% dos entrevistados afirmaram ter as ferramentas de colaboração remota necessárias para garantir que toda a equipe esteja alinhada no processo.

Além disso, 14% dos trabalhadores remotos afirmaram que atualmente não têm um processo de colaboração. Veja o Gráfico #8 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e depois do COVID-19 - processos colaborativos que os trabalhadores remotos usam

Também perguntamos a eles sobre a percepção que tinham a respeito de suas responsabilidades diárias, e apenas 41% de todos os trabalhadores remotos afirmaram ter total conhecimento sobre suas prioridades e responsabilidades. Isso nos mostra que as ferramentas de comunicação e a tecnologia precisam ser melhoradas para uma colaboração mais eficiente entre as equipes.

Nós separamos esses dados entre trabalhadores experientes vs. novos trabalhadores remotos, e mais uma vez a diferença foi mínima. Contudo, a única diferença que se destacou para nós foi o fato de que não havia entrevistados – entre os trabalhadores remotos em tempo integral – que não tivessem conhecimento acerca de suas prioridades.
Veja os Gráficos 9 e 10 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e Depois COVID-19 - Nova clareza dos trabalhadores remotos sobre suas responsabilidades diárias
Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e depois do COVID-19 - clareza dos trabalhadores remotos experientes em suas responsabilidades diárias

Por fim, apenas 39% de todos os trabalhadores remotos tinham visibilidade da contribuição de sua equipe e sabiam exatamente o que ela estava fazendo. Considerando que a maioria dos entrevistados restantes sabia como seus colegas estavam contribuindo através da comunicação casual.
Veja o Gráfico 11 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e depois do COVID-19 - Compreensão dos trabalhadores remotos da contribuição de sua equipe

É importante que os empregadores forneçam sistemas e oportunidades que permitam aos seus colaboradores ter visibilidade sobre as contribuições de seus colegas em um projeto, a fim de evitar ressentimento e distribuição desproporcional do trabalho.

Além disso, apenas 46% dos entrevistados afirmaram que sua empresa estabeleceu o trabalho a partir de políticas domésticas em vigor.

Falta de infraestrutura em suas configurações de trabalho remoto

Relatório de pesquisa de trabalho remoto 2020: Antes e Depois do COVID-19. Falta de infraestrutura e ferramentas

Na pesquisa, 49% dos trabalhadores remotos afirmaram não ter os equipamentos e materiais necessários para trabalhar em casa. Isso parece ser um gargalo comum em ambos os grupos.
Veja o Gráfico 12 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e depois da COVID-19 - Falta de ferramentas e infraestrutura corretas para trabalhadores remotos novos e experientes

Isso significa que apenas alguns empregadores se tornaram adeptos a fornecer a tecnologia adequada, bem como as ferramentas de infraestrutura e o material necessário para evitar possíveis gargalos no trabalho em casa.

Um grande número de trabalhadores remotos experientes e novos precisam de seus empregadores para resolver esses impedimentos no trabalho remoto. Os empregadores precisam garantir a disponibilidade desse material para iniciar uma experiência remota mais suave para os funcionários (o onboarding de funcionários para reforçar alguns casos), o que, por sua vez, aumentará a produtividade dos trabalhadores e os níveis de satisfação no trabalho.

Trabalhando em casa, do que você sente mais falta?

Relatório de pesquisa de trabalho remoto 2020: Antes e Depois do COVID-19. Cultura e vida social dos trabalhadores remotos

Trabalhar em casa exclui a possibilidade de interações espontâneas tão comuns à manutenção de uma cultura informal de escritório onde informações cruciais são trocadas, desabafos feitos e fofocas de escritório negociadas.

Descobrimos que a maioria de todos os trabalhadores remotos sente falta de conversas casuais e espontâneas relacionadas ao trabalho durante o almoço, as pausas para fumar ou no elevador com os colegas.

Uma pequena porcentagem deles sente falta da vida social no escritório como comemorações de aniversário, atividades divertidas no trabalho; alguns sente falta de fugir de sua família, e uma porcentagem ainda menor sente falta de lanches do escritório, da academia, das salas de conferência etc. O Gráfico 13 a seguir indica que mesmo trabalhadores experientes sentem as dores da reclusão, apesar de estarem mais acostumados ao trabalho remoto.  

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e depois do COVID-19 - O que os trabalhadores remotos sentem mais falta

Os dados acima mostram a importância de se ter uma cultura de escritório virtual próspera para manter o quociente de felicidade dos colaboradores alto e reduzir os sentimentos de isolamento, especialmente durante o confinamento. Então, perguntamos a todos os nossos entrevistados se eles tinham alguma sessão interativa virtual estabelecida (atividades como jantar digitalmente, happy hours virtuais ou café, sessões de treinamento, jogos, comemorações de aniversário etc). Observamos uma taxa ligeiramente maior em trabalhadores remotos experientes em comparação aos novos trabalhadores remotos, o que indica que os mais experientes podem ter se adaptado a uma configuração de trabalho remoto antes da COVID-19.
Veja o Gráfico 14 a seguir.

Pesquisa sobre o trabalho remoto 2020: Antes e Depois da COVID-19 - Sessões interativas virtuais enquanto trabalha remotamente para manter a cultura da empresa

Sendo assim, os empregadores devem promover um ambiente que permita que os funcionários interajam entre si de modo informal, com atividades como jantar digital, comemorações de aniversário virtuais, happy hours, sessões conjuntas de treinamento, exercícios de formação de equipe por meio de jogos virtuais e outras plataformas de conexão. Isso aumentará significativamente o ânimo dos funcionários e contribuirá para mais produtividade. Afinal, um trabalhador feliz é um bom trabalhador!

Conclusão

Relatório de pesquisa de trabalho remoto 2020: Antes e Depois do COVID-19. Resultados remotos da pesquisa sobre condições de trabalho

Por conta do confinamento, houve uma transição repentina e em alguns casos difícil para o trabalho remoto. Embora tenha seus benefícios – como tempo ganho sem deslocamento, mais tempo em família, mais flexibilidade e controle sobre as horas de trabalho -, também tem seus próprios problemas. Para os novos trabalhadores, as distrações em relação à família, tarefas, TV, animais de estimação e não ter um espaço como um escritório em casa tornam-se desafios fundamentais para o trabalho. Isso também tem um impacto no seu bem-estar mental, o que pode afetar tanto sua saúde quanto a produtividade ao longo do tempo.

Trabalhadores remotos experientes em tempo integral estão melhor em alguns aspectos, como lidar com distrações, ter mais tempo para se acostumar aos desafios apresentados pelo trabalho em casa. No entanto, muitas vezes enfrentam os mesmos desafios que os novos trabalhadores remotos. Trata-se de como esses desafios são enfrentados.

A pesquisa mostra que existem outros fatores significativos que foram desafiadores para o trabalho remoto tanto para os novos quanto para os mais experientes. A falta de conhecimento sobre tarefas e prioridades, falta de ferramentas de colaboração para alinhamento com as equipes e falta de equipamentos e materiais também são desafios reais enfrentados pelos trabalhadores.

O infográfico a seguir resume os insights da nossa pesquisa.

Relatório de pesquisa de trabalho remoto 2020: informações de pesquisa para trabalhadores remotos experientes e novos durante a pandemia de coronavírus.

Os empregadores precisam assumir a responsabilidade de oferecer as ferramentas e a tecnologia certas para permitir uma comunicação suave e estruturas colaborativas remotas para os funcionários. Existem ferramentas colaborativas de gerenciamento de fluxo de trabalho, como o Pipefy, que podem facilitar esse processo de forma eficaz, o que as organizações devem considerar durante esses tempos incertos.

Além disso, os empregadores devem ter canais abertos de comunicação com seus funcionários para rever semanalmente possíveis gargalos à produtividade. Eles também devem construir culturas de trabalho transparentes, fornecendo sistemas e oportunidades que permitam uma compreensão holística da distribuição do trabalho, mais ainda porque eles não estão vendo as pessoas cara a cara.

Confiança deve ser uma via de mão dupla. Isso torna imperativo colocar em prática ferramentas que permitam aos funcionários ter confiança na organização e vice-versa. Logo, que os empregadores possam acompanhar o trabalho de seus funcionários, assim como seus níveis de produtividade.

Embora as tecnologias e as ferramentas de colaboração possam aliviar alguns dos fardos do trabalho remoto, cabe também aos próprios trabalhadores usar essas ferramentas da melhor forma possível para resolver seus problemas de comunicação. Existem outras maneiras de lidar com possíveis distrações em casa. Equilibrar a vida profissional e pessoal quando se trabalha em casa torna-se crucial para essa equação. Os funcionários também podem acessar ferramentas e técnicas de gerenciamento de tempo que os ajudarão a organizar sua carga de trabalho de forma mais eficaz, separando suas responsabilidades domésticas com maior facilidade.

Cumulativamente, esses passos coletivos podem garantir uma força de trabalho mais feliz e produtiva, capaz de alcançar um equilíbrio entre vida profissional e pessoal, enfrentando com confiança os desafios impostos por esse período tumultuado e, possivelmente, pelo futuro.

Receba nossas postagens no seu e-mail