Como o RH auxilia na gestão do conhecimento nas organizações?

Team Pipefy

Você sabe qual a importância da gestão do conhecimento nas organizações?

Todo mundo concorda que empresas bem-sucedidas devem ser guiadas por uma boa base de informações e garantir que os funcionários tenham domínios alinhados às suas metas.

Contudo, muito potencial pode ser desperdiçado caso os saberes, os dados e as habilidades não sejam bem gerenciadas. 

Inclusive, uma pesquisa da TSIA revelou que a maioria dos empreendedores já acredita que a gestão de conhecimento pode elevar a produtividade de seus negócios em mais de 30%.

Isso certamente reforça como é importante ter atenção às melhores práticas da área para destacar-se no mercado atual. Que tal saber mais sobre elas?

A seguir, entenda melhor o conceito, sua relevância, o papel do RH na sua implementação e os melhores meios para que ela ocorra de maneira eficiente. 

Gestão do conhecimento nas organizações: o que é e para que serve? 

Como o próprio termo sugere, a gestão de conhecimento nas organizações corresponde à administração de todos os seus ativos de saberes, informações e aprendizagens. 

O foco desse gerenciamento é no capital intelectual da empresa. Conceito que corresponde a todos os conhecimentos somados de seu capital humano e estrutural.

Nesse sentido, o objetivo é identificar quais são os conhecimentos estratégicos para os negócios, a fim de implementá-los, aprimorá-los ou renová-los.

Dessa forma, a gestão de conhecimento é aplicada no cumprimento de suas demandas sempre da melhor maneira possível. 

Para isso, uma série de métodos e tecnologias podem ser empregadas para dar melhores condições de reconhecer, integrar e compartilhar os domínios necessários para que a empresa tenha sucesso e consiga escalar continuamente. 

Como resultado, as fontes de geração de conhecimento estão diretamente conectadas às necessidades em que eles precisam ser aplicados. 

Por que a gestão do conhecimento é importante?

Aprimorar os conhecimentos de uma empresa não é benéfico apenas para a organização em si, mas também para seus funcionários.

Afinal, enquanto o negócio garante à base de saberes e domínios que precisa para atingir seus objetivos, os colaboradores podem desenvolver-se profissionalmente durante o processo. 

Primeiramente, a gestão de conhecimento nas organizações permite que elas sejam mais eficazes na captura da inteligência que precisam. 

Isso porque, todas as informações necessárias passam a ser armazenadas para que sejam acessadas sempre que preciso, por meio de documentos, planilhas, artigos, manuais, etc.

Como resultado, é mais fácil de obter os conhecimentos entre as pessoas de forma mais estruturada e transparente. 

A partir disso, o quadro interno se torna mais produtivo e ciente sobre os saberes fundamentais para cumprir suas metas.

Através da valorização dos conhecimentos das pessoas e das políticas de incentivo ao seu aprimoramento, o clima organizacional também melhora. 

A consequência de toda essa cadeia é a garantia de que os ativos de saberes estejam sempre habilitados para que o negócio gere mais valor, tornando-se mais competitivo e lucrativo. 

Qual o papel do RH na gestão do conhecimento?

Mais que identificar e documentar os conhecimentos necessários para o bom funcionamento da empresa, é imprescindível que eles sejam amplamente difundidos e estimulados.

Isso significa que é importante buscar as informações que os colaboradores já têm. Além disso, deve existir uma etapa para desenvolver aquelas que precisam ser melhoradas e adotar meios para que os dados relevantes para o trabalho sejam sempre associados à atividade de cada pessoa.

Nesse sentido, é papel dos Recursos Humanos adotar as práticas e ferramentas necessárias para fornecer esse suporte aos indivíduos que compõem a empresa. 

Se os profissionais de RH são diretamente responsáveis pelo capital humano, também são eles que precisam promover a gestão de conhecimento nas organizações. 

Como aplicar a gestão do conhecimento nas empresas?

Agora que você já sabe como é importante que o RH lide com a gestão de conhecimento da sua empresa, confira abaixo alguns requisitos fundamentais para que o setor consiga implementá-la com eficácia:

Avalie a realidade atual da organização

Para começar, é fundamental determinar qual é a realidade atual do negócio e fazer um levantamento sobre as demandas a serem atendidas.

Em relação aos colaboradores, você deve elencar quais os conhecimentos necessários para que eles realizem seu trabalho.

Junto das pessoas, o entendimento sobre os processos também é fundamental, para que exista uma compreensão sobre a cadeia interna de atividades, suas relações, suas divergências entre demandas e execuções, domínios necessários para sua realização, e assim por diante. 

Além disso, considere o conteúdo em si, ponderando se o conhecimento que já existe na organização reflete suas necessidades atuais. Também é importante  estabelecer quais ações já são feitas para melhorar, reter e compartilhar esses saberes e quais estratégias podem ampliá-los. 

Planeje suas ações

Com a avaliação feita, é chegado o momento de estruturar a gestão de conhecimento na organização de forma clara e objetiva.

No início, é fundamental elencar os profissionais de RH responsáveis pelos processos, para que eles comecem a definir as ações necessárias para a implementação das estratégias e as guiem em prol de uma melhor identificação, retenção e ampliação das informações. 

O foco é estipular meios para atender os gargalos reconhecidos no item anterior.

Incentive a troca de experiências

Se os conhecimentos precisam ser difundidos na empresa, quer dizer que sua estratégia não deve se basear apenas em fontes formais de saberes, mas também nas trocas informais de informações.

Por isso, procure identificar como os funcionários compartilham informações e experiências entre si e atue para que esses canais espontâneos aumentem o engajamento da sua gestão de conhecimento. 

Nesse sentido, é fundamental incentivar a participação de todos, tanto nos programas estruturados de qualificação quanto na obtenção de feedbacks, além de na realização de reuniões, no estímulo às interações sobre os conteúdos propostos e outras ações semelhantes.

Inclusive, essas interações não precisam se basear apenas nos espaços físicos da empresa. Uma boa estratégia é criar comunidades virtuais, em que as pessoas possam trocar conhecimentos acerca de suas metas comuns. 

Em todos os casos, o importante é que esse contato seja favorecido através da adequação da cultura interna do negócio. 

Treine as pessoas

Por fim, a partir das demandas reconhecidas e da avaliação dos conhecimentos mais importantes para a empresa, é imprescindível criar estratégias de qualificação para que eles sejam sempre otimizados. 

Para isso, o RH deve investir em treinamentos específicos, que estejam alinhados aos objetivos organizacionais e garantam que os domínios, saberes e informações já presentes internamente evoluam constantemente. 

Isso pode envolver diversas ações e variar de acordo com cada negócio, incluindo desde treinamentos periódicos, até palestras, workshops, uso de plataformas de aprendizagem, promoção de mentorias, programas de coaching, apresentações, entre outras. 

Ao longo deste artigo, você pôde conferir como a gestão de conhecimento nas organizações pode emparedar suas equipes. Contudo, ela não é a única estratégia para que esse objetivo seja alcançado. Se você deseja ir além, clique aqui e descubra como os fluxos automatizados de trabalho também são imprescindíveis para melhorar o seu desempenho interno.

Escrito por
Team Pipefy

Receba nossas postagens no seu e-mail

Solicite uma demonstração