7 passos para fazer uma projeção financeira completa e precisa

Carina Bacelar
Um gráfico de barras cujo eixo horizontal diz "time" (tempo) e cujo eixo vertical diz "wealth" (riqueza). Da esquerda para a direita, cada barra é maior que a anterior, indicando uma projeção financeira na qual a riqueza aumenta com o tempo.

É muito difícil realizar qualquer planejamento sem ter uma ideia de como suas finanças estarão no futuro. Para empresas, não é diferente. É necessário ficar sempre atento à situação financeira do negócio para garantir seu sucesso. Nesse sentido, uma projeção financeira deve não só ser executada como periodicamente atualizada. 

Por meio de projeções financeiras, a empresa consegue entender seu cenário atual, preparar-se para eventos futuros e decidir com mais assertividade como proceder. Por isso, veja a seguir tudo o que você precisa saber sobre projeções financeiras, incluindo funções, benefícios e como fazê-las. 

O que é projeção financeira?

A projeção financeira é uma estimativa de quanto dinheiro a empresa receberá e gastará em um determinado período. Embora ela seja uma estimativa — afinal, nunca é possível saber o futuro com certeza — ela ainda pode ser suficientemente precisa para orientar decisões estratégicas nos negócios, desde que seja bem feita. 

Além da função de embasar decisões estratégicas, elas também podem cumprir outros propósitos. Para startups em fase de levantamento de fundos, a projeção financeira também pode demonstrar a investidores em potencial que a empresa entende o que lhe ajudará a crescer e consegue se planejar com segurança.

Alguns fatores que devem ser levados em consideração ao elaborar uma projeção financeira são:

  • Dados históricos: um bom ponto de partida é olhar para o fluxo de caixa em períodos passados. Isso ajuda a entender as entradas e saídas que a empresa já teve e a estimar como esses valores podem mudar no futuro. 
  • Capacidade de produção: Você só pode gerar receita a partir daquilo que consegue produzir. É importante ter em mente a capacidade de produção do seu negócio para não projetar uma receita muito maior do que a sua empresa é capaz de entregar em determinado prazo. 
  • Sazonalidade: Estações do ano e feriados podem afetar bastante as vendas de produtos e serviços. Sorvetes, por exemplo, venderão menos nos meses de inverno, ao passo que lojas físicas podem ficar fechadas durante feriados. Levar isso em consideração é essencial para ter uma projeção financeira adequada. 
  • Receitas e despesas fixas: Surpresas podem acontecer, mas geralmente há valores que a empresa já sabe que vai receber (ou gastar) de antemão em determinado período. Começar por eles pode ser uma boa dica para fazer uma projeção financeira.
  • Riscos: Ter uma visão geral do cenário econômico em que a empresa está inserida ajuda a fazer uma projeção financeira mais precisa. Num contexto de recessão, por exemplo, vendas de bens de consumo podem cair. Variações em moedas estrangeiras também podem afetar os resultados. 

Qual a função da projeção financeira?

A função primária da projeção financeira é oferecer uma previsão de como a saúde financeira da empresa se comportará ao longo do prazo avaliado. Com base nessa previsão, os gestores podem tomar decisões estratégicas de maneira mais segura e assertiva, se antecipando a possíveis problemas e preparando-se para oportunidades futuras. 

Como já mencionado, a projeção financeira também cumpre um papel importante de prestação de contas a investidores. Projeções bem feitas demonstram controle e cuidado com as finanças do negócio, o que por sua vez transmite segurança aos investidores. Ainda que os resultados não pareçam positivos, antecipar-se a problemas de caixa é importante. 

A projeção financeira também serve para comunicar as condições do negócio aos próprios colaboradores. Ela pode ser uma importante aliada na hora de estabelecer metas e elevar o engajamento do time. Caso a empresa passe por mudanças estratégicas motivadas por um cenário financeiro desafiador, a projeção também ajuda a explicar e contextualizar essas mudanças.

De maneira abrangente, poderíamos atribuir as seguintes funções à projeção financeira:

  • Visibilidade sobre a saúde financeira dos negócios
  • Apoio para a tomada de decisões estratégicas
  • Identificação de riscos e oportunidades no prazo avaliado
  • Prestação de contas a investidores
  • Auxílio no estabelecimento de metas e acompanhamento de metas
  • Suporte para mudanças estratégicas nos negócios

Projeções financeiras ainda têm outros usos mais específicos. Podem ser usadas para o planejamento financeiro em um período de tempo, para estudo da viabilidade econômica de alguns negócios, para avaliar novos projetos ou produtos, antecipar os resultados de fusões e aquisições e também no momento do valuation das empresas. 

Tipos de projeção financeira

A principal diferença entre os tipos de projeções financeiras está no prazo considerado. Em geral, podemos dividi-las em três categorias de acordo com esse critério: curto prazo, médio prazo e longo prazo.

Por avaliarem prazos diferentes, esses três tipos de projeção financeira acabam tendo também objetivos diferentes. Saiba mais sobre cada uma delas a seguir:

Curto prazo

A projeção financeira de curto prazo costuma avaliar, no máximo, o período dos 12 próximos meses. Via de regra, ela é realizada com base em dados mensais dos meses anteriores, e projeta resultados mensais para os 12 meses seguintes.

Em comparação com os outros tipos, essa previsão acaba sendo um pouco mais detalhada. Por esse motivo, ela também é usada frequentemente para prestação de contas, especialmente a sócios, acionistas e outros investidores. Ao mesmo tempo, por projetar apenas 12 meses no futuro, ela tem uma margem de erro comparativamente menor que as demais. 

A projeção financeira de curto prazo também é usada para o acompanhamento de métricas e metas financeiras, para a gestão do fluxo de caixa e para auxiliar nas decisões sobre alocação de recursos e investimentos.

Médio prazo

Na projeção financeira de médio prazo, são estimados os resultados financeiros para os três anos seguintes, em geral com recorte mensal (mas, em alguns casos, com recortes trimestrais ou semestrais). 

Esse tipo de projeção é usado com frequência por startups para projetar seu próprio crescimento, especialmente nos primeiros anos. Ela pode ser usada para validar planos de negócios, estimar necessidades de capital ou indicar como o negócio pretende crescer. Também pode servir para modelar planos de carreira e remunerações variáveis. 

O prazo mais longo significa que a margem de erro dessa projeção financeira costuma ser maior. Também por esse motivo, recomenda-se que ela seja realizada e atualizada com regularidade, preferencialmente a cada seis meses. 

Longo prazo

A projeção financeira de longo prazo estima os resultados anuais dos próximos cinco anos. Naturalmente, devido ao prazo maior, ela costuma ser menos precisa. Por outro lado, ela tem funções diferentes que podem se beneficiar desse prazo mais longo sem que a falta de detalhes importe muito. 

Essas projeções permitem avaliar cenários diferentes de atuação da empresa de acordo com outras variáveis. Também possibilitam pensar o crescimento dos negócios para além do prazo mais imediato, deixando claro desde já os obstáculos ou as mudanças estratégicas que serão necessárias no futuro. 

Para que essa projeção seja tão útil quanto possível, é essencial revisá-la anualmente ou diante de momentos críticos como captação de recursos ou oportunidades estratégicas. Além de avaliar cenários diferentes e orientar a tomada de decisões, essa projeção também pode ser usada para fazer o valuation da empresa e negociar com investidores. 

Benefícios da projeção financeira

Além das funções já citadas, fazer projeções financeiras regularmente traz uma série de benefícios para a sua empresa. Dentre eles, destacamos a seguir os principais.

Tomada de decisão mais assertiva

A projeção financeira ajuda a liderança da empresa a analisar mais dados e cenários antes de decidir por uma estratégia. Isso faz com que a tomada de decisão seja melhor embasada, o que, via de regra, gera melhores resultados. 

Melhores prazos e condições

Ao realizar a projeção financeira, a equipe consegue ter visibilidade das contas futuras do negócio. Isso frequentemente permite negociar prazos ou condições de pagamento melhores para contas futuras. Dessa maneira, problemas como inadimplência, multas e juros por atraso se tornam menos prováveis. 

Acompanhamento de metas

As projeções ajudam a estabelecer e acompanhar metas financeiras da empresa. Realizar e divulgar essas projeções ajudam a manter o time de olho nos objetivos que a organização, como um todo, deseja atingir. 

Alinhamento estratégico

Compartilhar projeções financeiras com os colaboradores é uma maneira simples e eficaz de manter o time alinhado. Com isso, todos ficam cientes dos principais desafios e oportunidades que os próximos meses trarão, e conseguem realizar seu trabalho com mais senso de propósito. 

Aumento do engajamento e produtividade

Um time que tem visibilidade da situação atual da empresa e dos objetivos que deseja atingir costuma ser mais engajado. Nesse sentido, uma projeção financeira bem elaborada pode ser um instrumento para melhorar o clima organizacional e, consequentemente, a produtividade da equipe — ainda mais se a projeção for positiva. 

Previsão de crises e oportunidades

Ao realizar uma projeção financeira, é inevitável pensar em diversos cenários que podem surgir no futuro. Esse exercício de imaginação tem um papel importante de contribuir para antecipar momentos críticos ou oportunidades decisivas de negócio. Estar preparado para eventos desse tipo ajuda a lidar com eles da melhor forma possível.

Quais são as etapas para fazer uma projeção financeira?

A seguir, apresentamos um passo-a-passo resumido para auxiliar na elaboração de uma projeção financeira. Esses passos são válidos para qualquer tipo de projeção e contribuem para que ela seja tão precisa quanto possível.

1. Levante dados anteriores 

O primeiro passo é fazer um levantamento dos resultados financeiros da sua empresa nos últimos meses. Descubra qual foi o total de receitas e despesas dos meses anteriores — avalie pelo menos os últimos 12 meses. Se possível, detalhe as receitas e despesas segundo categorias, de maneira a entender melhor a origem de cada uma. Isso ajudará na hora de realizar a previsão.

2. Insira informações que já tem

Sua empresa provavelmente já tem contas a pagar e a receber para os próximos meses. Outra medida inicial da criação da projeção financeira deve ser a inclusão dessas contas. Somando isso com os dados dos meses anteriores, você já deverá ter uma ideia bastante clara das movimentações financeiras para o próximo trimestre e até semestre.

3. Avalie o fluxo de caixa

O fluxo de caixa, resumidamente, é a relação entre o dinheiro que entra na empresa e o dinheiro que sai dela. Avaliar o fluxo de caixa do negócio no último ano, ou ano e meio, ajuda a entender com que valores a empresa poderá contar a cada mês para realizar investimentos e honrar dívidas. 

É essencial levar esses dados em conta na sua projeção financeira, especialmente no curto prazo — onde essas informações são mais previsíveis. 

4. Analise o ponto de equilíbrio

Também chamado de Break Even Point ou BEP, o ponto de equilíbrio é o momento em que a empresa equilibra as contas: o que sai é igual ao que entra e não há lucro ou prejuízo. Ele deve ser considerado durante a projeção financeira para garantir a rentabilidade do negócio. Sabendo o BEP, é possível saber também qual deve ser o faturamento mínimo necessário para atingi-lo. 

5. Estime crescimento

Olhando para os dados históricos, em que ritmo a empresa vem crescendo? A expectativa é de que esse ritmo se mantenha? Acelere? Ou desacelere? Essas perguntas ajudam na hora de determinar os faturamentos dos meses seguintes numa projeção financeira. Por isso, leve sua taxa de crescimento em consideração nesse momento. 

6. Levante diferentes cenários

Especialmente nas projeções financeiras para prazos mais longos, pode ser interessante levantar cenários diferentes e criar versões diferentes para cada um. Considere, por exemplo, o atingimento de 80%, 100% ou 120% das metas já estabelecidas. Também deve-se considerar criar uma projeção mais conservadora e outra mais agressiva, para se preparar para diferentes situações que possam surgir.

7. Agende um acompanhamento 

Depois de elaborar sua projeção financeira, agende um tempo para avaliá-la daqui a um, três ou seis meses (dependendo do prazo da projeção). Nessa avaliação você já poderá entender o que acertou, o que errou e o que aconteceu de imponderável. 

Esse acompanhamento é essencial para que cada projeção criada na sequência seja mais precisa que a anterior, e para que a empresa tenha um controle cada vez maior de sua saúde financeira. 

Exemplo de previsão financeira

Abaixo, apresentamos um exemplo extremamente resumido de uma projeção financeira de longo prazo. Com base em dados históricos, o time elaborou essa projeção apresentando os dados financeiros de 2021, e projetando resultados para 2022 a 2026.

Como a empresa vinha crescendo num ritmo suave de 10% ao ano, o time manteve esse crescimento na receita. O custo dos produtos vendidos cresceu em ritmo semelhante. No entanto, como a empresa pretende implementar melhorias em seu processo de produção e estocagem, estimou um crescimento menor nesse valor a partir de 2024.

A empresa também pretende reduzir despesas num prazo ainda mais próximo, mas sem impactar negativamente seus resultados. Por isso, considerou que elas cresceriam num ritmo inferior ao da receita (mas ainda cresceriam).

Já o investimento em marketing foi visto como estratégico. Portanto as despesas nessa área crescem em ritmo um pouco maior que as demais.

Exemplo LTDA.20212022 (projeção)2023 (projeção)2024 (projeção)2025 (projeção)2026 (projeção)
Receita100.000110.000121.000133.000145.000160.000
Custos dos produtos vendidos10.00011.00012.10013.00014.00015.000
Despesas50.00055.00060.00065.00070.00075.000
Marketing20.00023.00025.00028.00030.000
Administrativas20.00022.00023.00025.00027.000
Outras10.00010.00012.00012.00013.000
Lucro bruto40.00044.00049.00055.00061.00070.000

Vale dizer novamente: esse exemplo é extremamente simplificado e meramente ilustrativo. Uma projeção financeira dificilmente teria números arredondados como esses, e não incluiria categorias como “Outros”: ela precisaria ser bem mais detalhada. Também deveria incluir impostos, lucro líquido, fluxo de caixa e mais categorias de despesas. 

Por outro lado, mesmo uma projeção financeira simplificada assim ainda pode pode ser útil. Ela ajuda a demonstrar a importância de conter despesas para manter um crescimento estável, e serve como meta caso a empresa queira crescer mais de 10% ao ano. 

Como apresentar uma projeção financeira?

Criar uma projeção financeira na forma de uma tabela, como no exemplo acima, tem uma série de vantagens: permite detalhar mais cada fonte de receita e de despesa. Mas para apresentar essa projeção financeira, a tabela não é o melhor formato. 

Isso porque ela sintetiza muitas informações em um espaço pequeno. No contexto de um documento, isso é positivo. Mas para uma apresentação, esse formato pode ser conciso demais. Ele não dá destaque suficiente às principais informações e apresenta muitos dados que podem não ser importantes para um público menos envolvido nas finanças da empresa. 

Por isso, o ideal é usar gráficos, histogramas e outras visualizações de dados para apresentar sua projeção financeira. Um gráfico de barras verticais, com cada uma delas representando as receitas e despesas de um mês, é um dos formatos mais tradicionais de apresentar essas projeções. 

No lugar de barras, também é comum usar linhas, com os meses igualmente dispostos no eixo horizontal. As linhas ajudam a dar uma ideia melhor da tendência geral dos números. Essas apresentações podem ser criadas diretamente em ferramentas de tabela (como o Excel ou o Google Sheets) ou em softwares específicos como o Tableau ou o PowerBI. 

Como o Pipefy pode ajudar a projetar finanças?

Deve ter ficado claro que a criação de uma projeção financeira exige um controle preciso dos dados da sua empresa. Sem isso, é impossível saber como a saúde financeira do negócio está no momento atual — quanto menos saber como ela estará no futuro com qualquer grau de precisão. 

Nesse sentido, o Pipefy é uma ferramenta essencial para garantir controle das suas finanças. Você pode usá-lo para gerenciar processos financeiros de maneira controlada e eficiente. Dessa forma, todos os dados contábeis da sua empresa ficam organizados e facilmente acessíveis.

A plataforma ainda dispõe de painéis e relatórios que você pode configurar para acompanhar as métricas importantes do seu processo. Isso torna a criação de uma projeção financeira muito mais fácil, e também simplifica o processo de apresentá-la, graças aos recursos de visualização de dados de que o Pipefy dispõe.

Pipefy pode otimizar suas operações financeiras.Saiba como
Escrito por
Carina Bacelar
Content writer @ Pipefy. Articles about tech trends, business practices, and process automation.

Receba nossas postagens no seu e-mail