Modelagem de Processos de Negócio: tudo o que você precisa saber

Carina Bacelar

As operações diárias da sua organização dependem de uma variedade de processos. Mas você realmente os entende? Acompanhar cada etapa e suas conexões sem auxílio visual é uma tarefa difícil – e é aí que entra a modelagem de processos de negócios.

Ao permitir que você visualize processos inteiros do início ao fim, a modelagem serve como uma ferramenta inestimável para analisar e melhorar os processos de negócios em todas as escalas possíveis.

O que é modelagem de processos de negócio?

A modelagem de processos de negócios é a prática de representar processos de forma visual. Esses modelos geralmente assumem a forma de fluxogramas ou diagramas que exibem todas as etapas de um processo e como elas se relacionam.

Esta é uma etapa fundamental na implementação de estratégias de gerenciamento de processos de negócios (ou BPM). O BPM é uma prática em toda a organização que requer modelagem, análise e otimização de processos de negócios, com o objetivo de melhorar a eficiência de suas operações.

Seu componente de modelagem permite que donos de processo identifiquem visualmente cada etapa e entendam melhor o funcionamento da execução. Isso envolve o estado atual dos processos (ou seja, eles “como estão”) e seu estado futuro ideal, como se almeja ficar.

Uma plataforma BPM dedicada pode ser inestimável na criação e otimização de modelos de processos de negócios. Por exemplo: a marcação e o alerta do usuário podem ajudar a acelerar o tempo de triagem e entrega entre as etapas do processo. Dados do histórico também podem ser usados ​​para tomar decisões mais inteligentes sobre como melhorar os modelos no futuro.

A modelagem define as etapas que compõem o processo, esclarece quem é responsável por executá-las, mostra possíveis variações no processo, indica a duração e a importância esperadas de cada etapa, e assim por diante. Ao rastrear e monitorar o desempenho de cada estágio do modelo, você pode determinar melhor onde estão as ineficiências e desenvolver novos processos que minimizam problemas futuros.

Por exemplo: o onboarding do cliente é um processo importante e complexo que se beneficia da construção de um modelo visual. Você deseja garantir que as necessidades exclusivas de cada cliente sejam atendidas, o que exige um processo que se ramifica e apresenta diversas variações. Sem um mapeamento caso a caso, os membros da sua equipe provavelmente não conseguirão acompanhar os casos mais complexos e os clientes ficarão confusos e insatisfeitos.

Ou então imagine o reembolso de despesas, outro processo que muitas empresas utilizam diariamente. Os funcionários querem saber exatamente o que precisam fazer ao enviar pedidos e por quais estágios a solicitação passará antes de serem reembolsados. Criar e compartilhar um modelo de processo conscientiza todos os membros da equipe de como o reembolso de despesas é tratado e reduz a frustração entre os funcionários e o time de RH.

Benefícios da modelagem de processos

A modelagem de processos de negócios oferece uma visão holística dos processos e fornece uma compreensão mais granular das etapas envolvidas. Isso facilita muito a identificação de redundâncias, etapas desnecessárias e gargalos de desempenho. Esses benefícios se aplicam a todas as partes do seu negócio, do atendimento ao cliente à contabilidade e vendas.

A modelagem também remove qualquer ambiguidade em relação às etapas a seguir ao executar um processo. Todos os membros da equipe conhecem suas responsabilidades e suas funções com exatidão. Isso mantém seus funcionários alinhados e facilita sua comunicação e colaboração.

Como observado acima, a modelagem de processos de negócios é uma parte crítica do BPM. Sem visualizar os processos da sua organização, é impossível diagnosticar problemas com precisão e decidir sobre as melhorias que fazem sentido. Ao otimizar processos, o BPM torna cada funcionário mais produtivo e, por fim, melhora os resultados da empresa.

Ciclo de vida da modelagem de processos de negócios

Modelar processos de negócios é apenas o primeiro passo. As modelagens precisam ser revisadas de tempos em tempos para adicionar etapas ou alterar uma que já existe.

É importante revisar os processos de negócios quando:

  • Os objetivos e estratégias da empresa mudam;
  • A(s) equipe(s) cresce(m) muito e novas funções começam a fazer parte da rotina;
  • Novos problemas surgem e precisam ser resolvidos.

Ou seja, sempre que alguma mudança significativa causar algum impacto no processo, a(s) modelagem(ns) precisam passar por uma revisão.

O ciclo de vida da modelagem vai depender das situações citadas acima. Também é possível definir períodos de tempo para realizar as revisões como, por exemplo, a cada 3, 6 ou 12 meses.

Mesmo que o ciclo de vida dependa de fatores externos, você pode levar os pontos abaixo em consideração caso não tenha certeza se o momento para a revisão chegou:

  • Planejamento estratégico: se houver alguma pesquisa de mercado ou novos cenários que impactam o seu negócio, veja se eles vão afetar as suas modelagens de processos de alguma forma. Se sim, é uma boa hora para rever os ciclos de vidas delas.
  • Novas tecnologias: não precisa ser uma nova ferramenta, mas sim uma atualização ou uma forma mais produtivida de realizar alguma etapa dos processos. Se for algo que vai melhorar a modelagem como um todo, vale a pena dar uma revisada.
  • Mudanças estruturais: são mudanças internas como aquisições, fusões e cortes. Geralmente, esse tipo de mudança acaba afetando diversos setores e processos.
  • Novas regulamentações: novas leis, crises econômicas, ambientais, políticas, entre outras. Quando a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor, por exemplo, ela afetou diversos processos de várias empresas e eles precisaram ser ajustados.

O importante é sempre monitorar e refinar as modelagens de acordo com o crescimento ou mudanças estratégicas da empresa.

Técnicas para modelagem de processos de negócios

Existem vários métodos de modelagem, mas os três mais populares são:

  • Notação e modelo de processos de negócios;
  • Fluxograma de processo;
  • Notação de Processo Universal.

Veja a seguir o funcionamento de cada um e seus diferenciais:

Notação e modelo de processos de negócios (BPMN)

BPMN é uma metodologia padrão para a representação gráfica de processos de negócios. Ela define diferentes elementos, como eventos, atividades e conexões, e permite que diferentes partes interessadas em uma empresa padronizem sua linguagem ao descrever e analisar processos. No entanto, a técnica requer que os membros da equipe se familiarizem com sua nomenclatura, o que cria mais uma curva de aprendizado em comparação a outras metodologias disponíveis.

Fluxograma de processo

Um fluxograma de processo é um diagrama que mostra as etapas de um processo e os resultados que podem ocorrer em cada etapa. Ele normalmente mostra uma etapa de processamento, chamada “atividade”, como uma caixa retangular e uma etapa de decisão como uma forma de diamante. Os fluxogramas são ótimos para representar processos sequenciais, mas podem ser um pouco mais difíceis de gerenciar para fluxos de trabalho paralelos ou de máquina de estados.

Notação de Processo Universal (UPN)

A UPN é uma alternativa ao BPMN que tenta tornar os processos mais compactos visualmente e permite que qualquer tipo de usuário os entenda. O componente básico do UPN define as seguintes perguntas:

Isso deixa claro exatamente qual é a intenção de cada etapa e quem é responsável por elas.

Como fazer modelagem de processos de negócios

Como você cria um modelo de processo de negócios depende em parte da técnica que você usa, mas cada abordagem envolve as mesmas etapas gerais depois que você identifica o processo que deseja modelar. Elas são:

  1. Modelar o processo como está. Você deve revisar dados relevantes e entrevistar aqueles que usam o processo todos os dias antes de modelá-lo em seu estado atual. O uso de uma plataforma de gerenciamento de processos de negócios para modelagem tornará essa etapa muito mais fácil do que tentar desenhar o modelo no papel.
  2. Preparar o processo futuro. Antes de criar o processo, avalie cuidadosamente o estado em que ele se encontra para visualizar os problemas existentes e formas de aprimoramento. Ele pode ser otimizado removendo ou combinando etapas? Existem etapas que custam mais do que deveriam ou não são confiáveis? Mais uma vez, é fundamental obter a contribuição dos membros da equipe mais familiarizados com o processo.
  3. Escolha o tipo de abordagem da modelagem. Existem três abordagens que você pode escolher para o seu processo, são elas top-down, middle-out e bottom-up.
  4. Top-down: é uma visão de cima para baixo, ou seja, você faz uma análise macro da situação e “quebra” ela em várias partes. A partir desses fragmentos você tem uma compreensão melhor do problema que deseja resolver, vê quais situações precisam ser priorizadas e define processos separados para solucionar o problema.
  5. Middle-out: essa abordagem foca no centro do problema, o objetivo é encontrar informações sobre atritos e/ou falhas em tarefas e fluxos e, a partir dessas descobertas, propor novas modelagens.
  6. Bottom-up: é a visão de baixo para cima. Significa que primeiro um problema é identificado, depois começa uma busca por informações para entender o que é esse problema e ideias de como ele pode ser resolvido surgem. O ponto de partida é entender os detalhes para, depois, desenvolver uma solução.
  7. Colete informações. Quanto maior o número de informações sobre atividades e fluxos de trabalhor, melhor. Faça um levantamento dos objetivos de cada tarefa e veja se existem regras que devem ser seguidas. Se a sua empresa usa plataformas que armazenam dados, essa parte da modelagem não deve ser difícil, apenas demorada dependendo da quantidade de informações. Organize tudo que você conseguiu coletar, isso vai facilitar o seu trabalho.
  8. Modelar o processo futuro. Finalmente, é hora de modelar o novo processo. Depois de criado, execute-o com os principais interessados ​​para ver o que eles pensam e incorpore suas sugestões.
  9. Documente o processo. Levante todos os problemas, as soluções para resolvê-los, liste as opções, fases e detalhes que precisam ser registrados e documente em algum local que possa ser acessado por outras pessoas da empresa a qualquer momento. Depois que a modelagem dos processos for realizada, é interessante marcar uma reunião para mostrar o resultado final e explicar como ele funciona e como usá-lo.

As etapas acima são apenas uma parte do gerenciamento de processos de negócios – não abordamos como identificar seus processos mais importantes ou a importância de testar o futuro processo antes da implementação, por exemplo. É por isso que ela precisa fazer parte de uma estratégia abrangente de BPM.

Melhores práticas

É importante estruturar seus modelos de uma maneira útil e compreensível para todos os envolvidos nos processos. Existem algumas práticas recomendadas que você pode implementar para que isso seja possível:

  • Evite tornar o modelo excessivamente complexo. Embora você possa tentar mapear todas as etapas e resultados possíveis, isso pode levar a modelos difíceis de entender devido ao seu escopo excessivo. Quando possível, tente ser compacto e remova quaisquer redundâncias.
  • Planeje as etapas com antecedência. Em outras palavras, não apenas mergulhe na construção do modelo. Discuta os planos com todas as partes interessadas no processo para garantir que as informações estejam corretas e faça sentido para elas. Caso contrário, você corre o risco de criar um modelo incorreto ou muito complicado.
  • Lembre-se de que o objetivo é melhorar o processo. Portanto, você deve estruturar o modelo como um auxílio na detecção de ineficiências. O escopo das etapas deve ser amplo o suficiente para incluir informações úteis, mas estreito o suficiente para localizar problemas específicos. Pode ser necessário repetir o modelo para encontrar o equilíbrio ideal.

Crie automações usando uma plataforma BPM. Embora seja possível criar modelos manualmente, uma plataforma BPM pode acelerar o processo de modelagem e facilitar a colaboração. As automações possíveis com uma ferramenta BPM oferecem novos caminhos para a melhoria de processos. As plataformas de BPM também facilitam a manutenção contínua de processos modelados e permitem analisá-los para ajudar a planejar melhorias futuras.

Ferramentas para modelar processos de negócio

Com tantas ferramentas de modelagem fáceis de usar à sua disposição, não há motivo para tentar modelar manualmente os processos da sua organização. A implementação de uma plataforma BPM torna cada etapa da melhoria de seus processos ainda mais fácil, desde a identificação à modelagem e otimização.

E a Pipefy é a maneira mais rápida de monitorar, gerenciar e aperfeiçoar os processos que você executa todos os dias.

Se você quer construir operações integradas do início ao fim e, ao mesmo tempo, melhorar a produtividade dos seus times, nós podemos te ajudar.

Organize e controle o seu fluxo de trabalho em um só lugar, centralize e estruture novas demandas, personalize cada etapa dos seus processos com facilidade, faça automações e integrações com o mínimo de esforço. Crie relatórios e painéis personalizados.

Agende uma demonstração hoje mesmo.

Comece a modelar os seus processos hojeFaça um teste grátis
Escrito por
Carina Bacelar
Content writer @ Pipefy. Articles about tech trends, business practices, and process automation.

Receba nossas postagens no seu e-mail